Rituais de batismo entre agremiações carnavalescas: teremos o nosso!

Os rituais de batismo entre as escolas de samba e blocos existem desde o próprio surgimento dessas expressões culturais. São derivações dos rituais afros de batismo e dialogam com a tradição tão arraigada em nossa cultura de batizados entre pessoas.
As escolas de samba e blocos não necessariamente se batizam quando do momento de sua fundação.  Geralmente, quando já algo consolidadas, convidam uma escola de samba mais antiga, com a qual possui algum tipo de afinidade. De maneira recorrente também se convidam escolas de samba que deram uma “força” no surgimento da mais nova. O convite surge também pelo fato de a escola mais nova se identificar com um projeto de samba de uma mais velha. Ao convidá-la, está afirmando que seguirá essa forma de fazer samba. Algumas vezes uma escola mais velha se convida para batizar uma mais nova ainda não batizada. É possível ocorrer também de uma escola ou bloco se batizar na data de sua fundação, quando a escolha da madrinha já ocorreu.
O batismo de uma escola de samba (ou bloco) é algo simbólico, um ato de acordo mútuo que sela um pacto de companheirismo e solidariedade. Um registro para a história que determinada organização cultural bebe de uma linhagem, a respeita e saberá honrá-la.
Por parte de quem batiza, é um aval simbólico que comprova a respeitabilidade e o compromisso com o samba demonstrado pelo batizado. Ninguém batiza alguém que não confia. Acaso na vida não é assim?
Dito compromisso simbólico, no entanto, se reverbera em questões práticas. Madrinhas e afilhadas se buscam em momentos difíceis de ambas. Dialogam e caminham juntas. Se ajudam e se convidam para as celebrações. Enfim, firmam um pacto.
Na história das escolas de samba, as mais antigas do Rio de Janeiro, Mangueira e Portela, tem uma vasta lista de escolas de samba do Rio e de São Paulo que foram por elas batizadas. Ou seja, abriram linhagens. Interessante notar que as mais velhas de São Paulo foram batizadas pelas do Rio, o que lhes confere maior respeitabilidade, e também pelas de Santos, cujo carnaval já foi mais importante que o de São Paulo.
Não tenho maiores informações sobre o assunto, mas sei do que se trata. À guisa de elucidar a questão, fiz uma pequena e incompleta pesquisa entre escolas de samba de São Paulo e do Rio de Janeiro, que abaixo apresento.
Em primeiro plano, o nome da madrinha, e abaixo, suas respectivas afilhadas, que por sua vez, se tornam madrinhas de outras também. Espero que ajude.
E viva o samba e a cultura popular, motores da revolução brasileira.
Tiarajú
Unidos da Lona Preta
(a luta fazendo o samba; o samba fazendo a luta)
 
 
Estação Primeira de Mangueira (RJ)
 Salgueiro (RJ); Camisa Verde e Branco (SP); Morro da Casa Verde (SP); Barroca Zona Sul (SP); Rosas de Ouro (SP);
Portela (RJ)
Unidos de Vila Isabel (RJ); União da Ilha (RJ); Beija-Flor (RJ) Nenê de Vila Matilde (SP);
Império da Tijuca (RJ)
Império Serrano (RJ)
Império Serrano (RJ)
Imperatriz Leopoldinense (RJ); Acadêmicos do Tatuapé (SP);
Império do Samba (Santos)
Vai-Vai (SP); Mocidade Alegre (SP);
Camisa Verde e Branco (SP)
Gaviões da Fiel (SP); Império de Casa Verde (SP); Tom Maior (SP); Prova
            De Fogo (SP); Colorado do Brás (SP);
            Nenê de Vila Matilde (SP)
            Aguia de Ouro (SP); Leandro de Itaquera (SP); Vale Encantado (SP);
            Paulistano da Glória (SP)
            Uirapuru da Moóca (SP);
            Rosas de Ouro (SP)
            Mancha Verde (SP); Unidos de São Lucas (SP);
            Gaviões da Fiel (SP)
            Imperador do Ipiranga (SP); Rosas Negras (São Carlos);
            Mancha Verde (SP)
            Galoucura (BH);
            Lavapés (SP)
            Dragões da Real (SP);
            Fio De ouro (SP)
            Acadêmicos do Tucuruvi (SP);
            Unidos do Peruche (SP)
            Unidos de Vila Maria (SP);
            X9 (Santos)
            X9 Paulistana (SP);
            Colorado do Brás (SP)
            Mocidade Amazonense (SP);

Esse post foi publicado em Principal. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Rituais de batismo entre agremiações carnavalescas: teremos o nosso!

  1. CONTCHE DO AMARAL disse:

    Bom Dia,obrigada pelas informações,detalhada como dizia minha falecida avó vivendo e aprendendo parabens uma explanação detalhada.Sucesso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s